quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Outubro Rosa: Prevenção do Câncer de Mama



A prevenção do câncer de mama pode ser dividida em três partes:

Prevenção primária - Tudo aquilo que pode ser feito para evitar a ocorrência do câncer.
Prevenção secundária - Diagnóstico precoce e prevenção da recidiva.
Prevenção terciária - Medidas para minimizar o impacto da doença já estabelecida.




Prevenção Primária

O câncer de mama é em parte decorrente de uma série de fatores de risco:

Idade avançada.
Predisposição genética hereditária.
Histórico familiar.
Menarca precoce.
Menopausa tardia.
Radioterapia prévia na região do tórax.
Mamas densas.
Obesidade.
Sedentarismo.
Alcoolismo.
Tabagismo.
Terapia de reposição hormonal (após a menopausa).


Você pode ajudar a prevenir o câncer mantendo um peso saudável, uma dieta balanceada, 
fazendo atividade física, não fumando, não ingerindo bebidas alcoólicas em excesso.

Além disso, para mulheres na menopausa, é aconselhável não fazer reposição hormonal, 
ou fazê-lo sob orientação estrita de um médico.

Embora seja difícil quantificar a diminuição do risco de câncer de mama especificamente 
promovida por uma intervenção como, por exemplo, perda de peso, vale ressaltar que 
todas as intervenções em fatores modificáveis trazem também benefícios para a saúde 
em outras esferas, não apenas no câncer de mama.


Pacientes com predisposição genética (hereditária) ao câncer de mama

Há alguns aspectos na história pessoal e familiar de pacientes que nos fazem pensar na 
possibilidade de uma predisposição genética. São estes fatores:

Câncer de mama diagnosticado antes dos 50 anos em parentes de primeiro e/ou segundo grau 
História de parentes com câncer de mama ou de ovários
Familiar com câncer de mama em ambas as mamas
Parente homem com câncer de mama




Prevenção Secundária

O exame mais comum é a mamografia. Recomenda-se que a mamografia seja feita a
partir dos 40 anos de idade de maneira anual. Não há idade limite para a realização de 
mamografia, sendo que o bom senso dita que quando uma mulher tiver uma expectativa de 
vida curta, não faz mais sentido rastrear o câncer de mama.

O ultrassom das mamas serve como complemento à mamografia, pois ajuda a diferenciar
cistos de nódulos, mal diferenciados na mamografia.

A ressonância magnética é recomendada para o rastreamento apenas em populações de 
alto risco, como pacientes com história familiar e pacientes sabidamente com predisposição
genética ao câncer ou pacientes que já tiveram um primeiro câncer de mama. Nas pacientes
com alto risco definido com base em história familiar ou genético, a recomendação é
iniciar o rastreamento aos 30 anos de idade.


Prevenção Terciária

Consiste em intervenções com objetivo de minimizar a perda de qualidade de vida 
decorrente da doença.

Quem Procurar?

Com base na idade da paciente, no seu histórico familiar, e na presença e gravidade 
de outras doenças que ela possa ter, o médico pode propor estratégias diferentes de 
prevenção.

Em linhas gerais, a prevenção consiste em:

Exame clínico anual das mamas por um profissional de saúde.

Mamografia anual ou bianual, a partir dos 40 anos de idade.

Para mulheres identificadas como tendo um risco maior, com base no histórico familiar de outros casos de câncer de mama ou ovário, a recomendação pode ser por uma estratégia de rastreamento ainda mais precoce,e até o encaminhamento para um oncogeneticista. 

Além disso, se no autoexame, a mulher notar qualquer alteração,deve procurar 
um médico (ginecologista, mastologista, clínico geral, geriatra ou oncologista). 



*Por conta das dimensões que cabem no post, a imagem acima será postada separadamente no Facebook e Instagram do blog para melhor visualização.




Nenhum comentário:

Postar um comentário